Com TIC, Campinas voltará a ter trem de passageiros após quase três décadas

março 18, 2024 0 Por

Atualmente, passageiros que querem ir da capital a Campinas por transporte coletivo precisa recorrer a fretados ou ônibus intermunicipais

A chegada do Trem Intercidades Eixo Norte à Campinas marcará o retorno do trem de passageiros após 28 anos na região. O projeto de Parceria Público-Privada prevê um trem expresso de média velocidade ligando a cidade à capital paulista (TIC), além do Trem Intermetropolitano (TIM) saindo de Jundiaí e indo até a cidade campineira e a requalificação da Linha 7-Rubi, hoje gerida pela CPTM. O leilão de concessão do projeto ocorreu no dia 29 de fevereiro, com a vitória do Consórcio C2 Mobilidade sobre Trilhos.

Símbolo histórico de Campinas, a Estação Central recebeu a última viagem de trem de passageiros em 2001. No ano seguinte, o local se transformou em um equipamento cultural do município. A previsão é de que o TIM, chamado de “trem parador” e que vai ligar Jundiaí e Campinas, passando por Louveira, Vinhedo e Valinhos, fique pronto em 2029. Já o TIC começará a operar em 2031.

Atualmente, a população de Campinas pode matar a saudade do transporte ferroviário apenas por meio do passeio turístico de Maria Fumaça que ocorre aos sábados e vai até Jaguariúna. Muita gente que utilizava o serviço de passageiros guarda boas recordações do serviço.

“Quando a gente passava perto das casas, o trem chamava a atenção, as pessoas acenavam”, recorda Orlando Clemente, maquinista aposentado que trabalhou em algumas das principais ferrovias do interior paulista, incluindo a Companhia Paulista, sediada em Campinas. Ao lado da Companhia Mogiana, a linha interligava a região a outros polos de produção e escoamento do café desde a segunda metade do século 19.

Orlando começou a carreira ainda aos 14 anos, como aprendiz. Aos 18, se tornou maquinista profissional, ofício que o levou até a aposentadoria em 1994. “Minha vida foi no trem, você pega um amor pela coisa”, afirma.

Resgate histórico

A volta do trem de passageiros para Campinas significa o resgate de um símbolo da região, que se desenvolveu economicamente a partir das ferrovias construídas para o transporte do café, principal atividade econômica de São Paulo entre os séculos 19 e 20.

Além do transporte de carga, os trens se transformaram no principal meio de locomoção da população local. E assim permaneceu por décadas.

“Essas companhias foram muito importantes para essa região do interior”, afirma Cristina de Campos, pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Política Científica e Tecnológica do Instituto de Geociências da Unicamp.

Com as ferrovias, as cidades do entorno passaram a abrigar oficinas para a produção e montagem de equipamentos, além de manutenção das locomotivas. “As oficinas se tornam estabelecimentos fabris muito importantes em cidades como Jundiaí e Campinas, que começam a concentrar uma série de serviços e trabalhadores no entorno, ganhando outro dinamismo econômico”, conta a pesquisadora.

Estudioso da história dos transportes no estado de São Paulo, o professor aposentado do Departamento de Geotecnia e Transportes da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo (FEC) da Unicamp, Carlos Alberto Bandeira Guimarães, explica que, com a industrialização do estado a partir da década de 1930, intensificada pelo declínio da economia do café, as ferrovias foram gradativamente sendo substituídas pelas rodovias. Agora, ele enxerga uma oportunidade de retorno.

“Uma linha ferroviária de média velocidade consegue competir, pelo tempo de viagem, com o transporte rodoviário. Atualmente, existem muitos ônibus fretados, além das linhas regulares intermunicipais. Então, há demanda”, afirma.

Já o professor Eduardo Romero de Oliveira, do Departamento de História da Faculdade de Ciências e Letras da Unesp, acredita que o trem intercidades pode desempenhar um papel semelhante ao da CPTM a partir do início da década de 1990, quando a companhia estadual passou a operar a malha ferroviária para o transporte de passageiros da capital para os subúrbios e a região metropolitana.

“A importância do trem de passageiros é que ele atende à necessidade de transporte para outras áreas metropolitanas, como a de Campinas. É fundamental essa conexão”, argumenta Romero, que coordena o projeto Memória Ferroviária. Ele ressalta ainda que, com o TIC, os passageiros passam a ter uma opção mais sustentável de transporte em relação aos ônibus e veículos particulares, que emitem gases de efeito estufa.

Memória viva da era do trem de passageiros, Orlando, o maquinista aposentado, se diz ansioso por poder voltar a ver o ambiente fervilhante das estações: “a turma ama o trem!”